Tupi e nagôBanho de ervas5.462 plays
Publicidadeiniciando próxima música em Pular anúncio
Publicidade
Publicidade
pular anúncio
cancelar

Seu comentário foi publicado. Visualizar

Iniciando música ~ em
    1 / 1

    Contrate

    (11) 9473-3039

    Banho de ervas

    Rafael Sampaio

    Gravetos da selva perdida
    Flores do campo ao meu redor
    Eu vejo uma vida mais vivida
    Essência mostrada com suor
    O sol desponta no amanhã
    E eu aqui cantando só
    Oferendas de fé a iansã
    Alfazema, arruda e cipó
    Tomei um banho de cachoeira
    Timbrado um bongo tocar
    Colhi frutos daquela figueira
    Miçangas decoram o cocar
    Segui a trilha lá da pedreira
    Caboclo mostrou onde é o lugar
    A lenha a queimar na fogueira
    Na maresia eu quero entrar
    Um banho de ervas
    Alfazema pra perfumar
    Um banho de ervas
    Anda logo que cambolo quer tomar

    Da mata virgem pego cravos
    No reggae busco a inspiração
    Herança deixada por escravos
    Mistura guiné e alcatrão
    Ramos de cores tão lindas
    Plantas que são medicinais
    Crença e lendas seguidas
    Remédio pra alma dos mortais
    Pegue um maço de erva cidreira
    Folha por folha a banhar
    Receita da mãe velha caseira
    Faz bem um banho dela tomar
    Segui a trilha lá da pedreira
    Caboclo mostrou onde é o lugar
    A lenha a queimar na fogueira
    Na maresia eu quero entrar
    Um banho de ervas
    Alfazema pra perfumar
    Um banho de ervas
    Anda logo que cambolo quer tomar

    Músicas mais acessadas

    Fotos (1)

    Release

    Súditos de Marley? Sim, por ser impossível evitar este rótulo quando se entrega á missão de viver do ritmo consagrado pelo ícone jamaicano. Mas não subproduto do reggae. A banda maringaense /Tupi e Nagô /faz questão de emergir no universo da música sem abrir mão de uma postura personalizada, deixando claro que praticar “reggae do bom” é uma proposta que vai além do tocar as canções. É preciso se envolver com as questões da cultura, os movimentos sociais e as implicações genéricas da negritude. Mesmo sem ter na pele este tom. E se permitir à variações, que vão do maracatu ao mangue-beat.

    E, como não se faz revolução sem correr riscos, os rapazes com idades entre 20 e 24 anos, abriram mão da confortável condição que tinham sendo reconhecidos na ...

    Continuar lendo>>