Gaiola da Saudade

Maciel Salú

Vivo andando no mundo
Na gaiola da saudade
Igualmente um passarinho
Voando solto nos ares
Querendo água e comida
Pra matar minha vontade
Deixo minha terra chorando
Pra morar noutra cidade

Para que sentir a dor
Para que se tê-la
O sol queima, racha a terra
E a lua clareia

Tempo bom foi no passado
Na época do meu avô
O homem tá destruindo
O que a natureza criou
Planta semente na terra
Espera a chuva e não cai
Tão aborrecendo a Cristo
Por causa de tudo isso
Tempo bom ninguém vê mais

Para que sentir a dor
Para que se tê-la
O sol queima, racha a terra
E a lua clareia

Na estação pego um trem
Sigo firme na estrada
A bagagem é minha roupa
E a rabeca afinada
Vem a noite e não dá sono
Na madrugada cochilo
Vejo a chegada do dia
Não sei
Qual o é o meu destino

Para que sentir a dor
Para que se tê-la
O sol queima, racha a terra
E a lua clareia

Músicas mais acessadas

Álbuns e Singles/EPs  (3)

Fotos (18)

Clipes (9)

Release

Pernambucano, nascido em Olinda, é cantor, compositor, rabequeiro, mestre e brincante de diversos folguedos populares. Herdeiro da umas das famílias mais expressivas na cultura popular, convive desde a infância em meio a maracatus, cavalos-marinho, cocos e cirandas. Jovem curioso, aprendeu a tocar rabeca depois que, por descuido, foi flagrado mexendo na rabeca do avô, João Salú. O flagra acabou se transformando numa verdadeira aula, talvez a mais importante da vida de Maciel Salú, quando foi desafiado a não só tocar, mas principalmente afinar aquele instrumento tão curioso.

O desafio lançado pelo avô revelou a grande habilidade de Maciel – a de ser rabequeiro. E foi graças a desenvoltura com a rabeca que na década de 90, no auge do manguebeat, Maciel Salú foi convidado a integrar a banda Chão e Chinelo ...

Continuar lendo>>