Pega ladrão

Raul Raposo/ Beto Landau

E quando as sirenes tocam
Marcou bobeira meu irmão, os caram brotam
Dizendo cê tá todo errado
Rio trocado, sujeito barbado
Homem fardado, ladrão assalariado
É, tá tudo errado
Eu morador do Rio de Janeiro
Taxado de surfista, safado, de maconheiro
Eu digo não se renda, se desprenda de preconceitos
De um mundo comercial
Onde as rainhas são gatinhas borralheiras de fio dental
Sem a menor pretensão de influenciar, manipular a sua opinão
Sou só mais um em um milhão apenas retratando a realidade
Brasil verdade, Rio saudade
Naquele tempo que se fazia pouco por muito mais
Se apreciava o bem que a melodia faz
Hoje o que temos são moleques criados por sinais tacando bolinhas para o alto
Vocês dão dinheiro, mas um sorriso satisfaz muito mais
Satisfaz muito mais

Que disparate, moleque de fuzil brincando de combate
Que disparate, moleque de fuzil brincando de combate

Vítimas de uma guerra cruel, você vai crescer, menino
E não vai pro céu, e não vai pro céu
Vão te largar um 38 na mão
Quando menos esperar, vão te dar uma missão
Pega ladrão, pega ladrão
Vítimas de uma guerra civil é rá, tá, tá, tá, pow, pow, pow
E ninguém viu
Brasil perdido, não sei mais quem é polícia ou quem é bandido
Pega ladrão, pega ladrão, pega ladrão

Que disparate, moleque de fuzil brincando de combate
Que disparate, moleque de fuzil brincando de combate

Pega ladrão, no Distrito Federal
Pega ladrão, nos condomínios e mansões

Músicas mais acessadas

Álbuns e Singles/EPs  (2)

Fotos (15)

Clipes (7)

Release

por Tony Bellotto

Se o Sex Pistols afirmava que não havia futuro na Londres sombria de 1977, a Le Raleh garante que ele também não existe no Rio ensolarado de 2013.

“O futuro acabou de começar e terminar”, canta a banda carioca numa de suas canções. Se a positividade da Le Raleh não tem nada a ver com o desencanto do punk, sua música mantém a crença em viver cada momento como se fosse o último.

Se Chuck Berry foi uma referência para as grandes bandas de rock dos anos 1960, Benjor e outros Jorges são inspiração constante para a Le Raleh.
“E como já dizia Jorge Maravilha, prenhe de razão, mais vale uma filha na mão do que dois pais voando”, cantam com muita malandragem em sua brilhante recriação ...

Continuar lendo>>