A Mata, Ama, Mata

Lailton Araújo

Quando a noite na mata chegar devagar
O bicho se deita no ninho pra acalentar
Filhote que pede calor à mãe natureza

Oiá! Oiá! Oiá! Oiá! Oiá!

Quando o dia na mata chegar devagar
O bicho levanta do ninho para caçar
Comida que vem saciar a fome da mata

Oiá! Oiá! Oiá! Oiá! Oiá!

Um índio saiu na canoa atrás de Tupã
E a tribo dos Pataxós se tornou irmã

Das nações que pedem a sobrevivência
Nas terras estranhas sem consciência

Pois negro, branco ou mendigo
Vestido de índio ou qualquer papel

Na selva de pedra é um bicho
Caçado sem trégua pra satisfazer

O puro prazer de ver a dor
E a presa acuada com seu cobertor

No ninho de pedra que a selva abrigou
Brasília que um dia "dezenove" guardou

Oiá! Oiá! Oiá! Oiá!

A mata, ama, mata
A mata, ama, mata

Oiá! Oiá! Oiá! Oiá!

Músicas mais acessadas

Álbuns e Singles/EPs  (9)

Fotos (13)

Release

LAILTON ARAÚJO
Show - ForroSamba Na Bossa


LAILTON ARAÚJO apresenta o Show - ForroSamba Na Bossa. Neste evento existe a poesia em fusão com a musicalidade do povo brasileiro, onde são retratados, o amor, a esperança, a ecologia, e a nova visão do ser humano, voltada para a paz e harmonia.

Usando temas regionais e urbanos nas composições próprias, o pernambucano faz nova leitura nos clássicos da Música Popular Brasileira, com muito forró, xote, baião, toada, samba de raiz e bossa-nova.

Nasceu na cidade de Sertânia, Estado de Pernambuco - Brasil em 1959. É músico, compositor, cantor, ambientalista, pesquisador de ritmos regionais brasileiros, escritor e ex-professor (não formado) do Cursinho Pré-Vestibular Educafro, onde lecionou as disciplinas: biologia e geografia.

Trabalha há 34 anos na área cultural. É empresário de eventos e marketing.