Eu ando meio brega feito esta canção: Ponto e Espaço (Acústica)

Jefferson Sarmento

Mas se você ainda não se viu
Em pelo menos uma linha em cada oração
É porque eu tento e às vezes me escapa
Traduzir em versos o meu coração

Mas não se engana
Cê sempre tá nas linhas da canção
Em todo ponto e espaço
Em toda poesia em que eu me desfaço

Mas vê se não fica procurando assim
com toda essa atenção
Você pode até querer achar que eu sou algum romântico
Pode até se acostumar com flores mensagens e declarações
E isso, meu bem, não combina com meu ego de leão

Mas não se engana
Cê sempre tá nas linhas da canção
Em todo ponto e espaço
Em toda poesia em que eu me desfaço

Às vezes eu não sei se te compro chocolates numa caixa verde assim
Ou mando flores vermelhas e te escrevo emocionado uma carta de amor
Quem sabe eu mande trufas que parecem rosas e te expliquem minha insensatez
Numa cesta assim meio indiscreta e brega feito essa canção talvez

É, eu sou mesmo meio exagerado

Me deixa então vendar os teus olhos na tua sala de estar
E servir na tua boca as pétalas das rosas que eu te presenteei
Torcendo pra uma gota despencar dos teus lábios sempre tão febris
E se aninhar entre os teus seios pra eu limpar como eu sempre quis

Se isso for meio indecente se for até impróprio o que é que tem?
Você já teve sonhos mais reais, já desejou até outros finais
Me deixa então mapear todas as pintas e curvas de todo o teu corpo
E descobrir com a língua o teu sabor

Mas não se engana
Cê sempre tá nas linhas da canção
Em todo ponto e espaço
Em toda poesia em que eu me desfaço
Mas vê não se engana
Cê sempre tá nas linhas da canção
Em todo ponto e espaço
Em toda poesia em que eu me desfaço

Músicas mais acessadas

Fotos (2)

Release

Enquanto o Zero Ora! prepara o segundo CD, entre essas tantas composições, blues e outros trecos que a banda urde no volume máximo do estúdio, o vocalista aproveita as horas vagas para compor algumas peças que… convenhamos, não combinam muito com a cara da banda.

Sem qualquer pretenção mirabolante ou plano megalomaníaco, o também escritor (autor dos livros "Velhos Segredos de Morte e Pecados Sem Perdão" e "Os Ratos do Quarto ao Lado") e compositor revela um lado sutil e por vezes romântico em composições que passeiam pela MPB, a bossa e o pop (sem esquecer do blues) em canções supreendentes pela leveza e singularidade.

Quem já ouviu qualquer dos petardos da banda Zero Ora! vai achar no mínimo espantosas as músicas listadas na galeria. Ouça e… deleite-se.