Contrate

Quando nada parte da maldade

Álvaro Caldas

De fato, distante assim se pode pensar
além do que nada se vê.
É certo deitar o rio de nuvens estratosféricas
Além do céu da boca.

Nada se faz aqui, neste camafeu de imagens e sons.
Tudo ao redor da retina
Desce o leito, viaja na madrugada
Em cada uma das estrelas,
Formando um desenho em um dialeto tribal.
De sorte que ainda nada se tem de concreto
Quando sempre se fala em espírito.

Outrora era um mar diante de uma vida nada espetacular
Fugindo de si e da desordem da ordem mundial.
Dali ou de onde estivesse o outro vértice,
Só se sabe que nada era temido
Que não fosse da ordem das estrelinhas amarelas
Que aplumavam a farda já em fardos de tantas regras.

Quanto ao ursinho Knut e outras fábulas do orkut,
Um segredo ia se descobrindo
A cada página feita sem uma tinta de caneta,
Mas de exibicionismos e desesperos.
Quantas hermenêuticas eram necessárias
para deflagrar qualquer tentativa de um sim
Ou uma nova caminhada?

"O segredo",
"O nome da rosa",
Contados em qualquer estação,
"À espera de um milagre",
De nada adiantaria se novos horizontes não demarcassem
O que há tempos se tem do espírito
O que ainda é certo.
Nada além de nós mesmos...

"Quem diria que um dia a gente iria chegar aqui" e olhar pra trás e nada.
Numa quasar vêm novas mensagens
Indecifráveis para os plebeus
E apostas são feitas,
Desvios no relevo donde a história curva seu traçado
Para chegar no mesmo lugar
De décadas atrás.

Não são mares furtivos, desdenhando nossas mentes,
Nem a lua insinuando novos ataques ao passado
Em cada lágrima da chuva
Que anuncia aparecer bruscamente.
O sereno tem cheiro acalentador
Com aquele bucolismo
Que só a literatura original sabe descrever.

Vejo imunes tantos casos de amor
Que nem seria demais ainda acreditar
Num ponto de equilíbrio.

Cada gesto,
Cada beijo,
Nada pode ter sido em vão
Completamente.

Teria sido apenas um estágio,
Mas nada de charadas mais,
Apenas aprendizado,
De qualquer forma.

Qualquer coisa,
Adiante se vai ao longe
Quando nada parte da maldade...

Busque sempre seus escudos...
Outro dia, a gente continua...
Carpe diem.

Músicas mais acessadas

Fotos (12)

Clipes (2)

Release

Álvaro Caldas nasceu no Piauí, cidade de Parnaíba, longe demais das capitais. Mas não demorou muito pra se encontrar musicalmente (ou pelo menos ter um norte), sendo, a bem da verdade, inicialmente, apenas um figurante no rock parnaibano quando tentou montar uma banda na década de noventa, sem muito sucesso. Teve apenas uma apresentação no "Canta Susto".

Depois de um tempo e de muitas perdas, inclusive do irmão que tocava na banda "Os Últimos Anjos" - Breno Caldas -, Álvaro procurou no amor e na música sua felicidade. Entre trancos e barrancos, foi apanhando e aprendendo a compor e mostrou a cara pra bater neste primeiro trabalho (não é a primeira gravação em estúdio) que vem ao público de vez.

O Ano de 2006 trouxe a vontade de entrar de vez no ...

Continuar lendo>>