Nessa rua

3 Um Só

A fé ultrapassa os limites vou na minha irmão, sem duvida sou ó perifa a milhão na banca só sangue bom chapa o côcô ta bom firma só a idéia quem gostou bagunço os cu que me vê na rua com as mina se pa, inveja mata mais dessa vez não vai matar potoqueiro por toda favela aqui tem de monte pelas atitudes há eu sei não se esconde, faz a sua doidão e deixa a minha, sem desandar ando sempre na linha, eu nunca deixei falhas pra comedia vim tirar, subir nas minhas costas e dizer que não da nada, hou nem me conhece o jhow, vê se me esquece na favela com os irmãos meu respeito prevalece, o só pé de pano que jhow, nunca precisou o que eu quero eu obtenho na fé e com amor moro, mesmo que seja pra satisfazer um irmão no olhar um brilho intenso, na garagem um Opalão pelos meus, pelos seus, pelos que vier irmão pelo bem, pelo amor eu sou perifa a milhão, e não importa se o mundão aqui não deu resposta, pois muitos por aqui acreditam numa nota, irmão veja só esse mundo aqui é triste (mas o povo vai ter paz) perai quem foi que disse há, vejo os moleque lá na quina se armando e as menininhas de treze já tão engravidando, o Deus olha pra nóis toma conta disso aqui pois eu já nem sei o que se espera de mim, olhe pelas crianças Caíque, Alexandra, Ian meu afilhado e a senhora Dona Vanda, com o sentimento puro eu prossigo a minha fé, meio que louco no escuro mais sem medo assim que é. Graças a Deus o meu sonho aqui se concretiza dos becos para o mundo o meu disco, a minha vida meu objetivo, e minha fonte de inspiração, o dom que eu conquistei exercendo a missão.

(Refrão)
Os calos não são sábios, mas capazes de ensinar alguém. Nessa rua, nessa rua.
E quem já foi tirado, aprendeu a não tirar ninguém. Nessa rua, nessa rua.
Quem também chorou nessa rua quer sorrir também. Nessa rua, nessa rua.
Não basta ler a bíblia, tem que saber consagrar o amém. Nessa rua, nessa rua.

Humildade, trabalho e força de vontade o mano sobrevive com a cara e a coragem adquirindo respeito e conceito pela cidade a vida é desse jeito hum, melhor passagem e continuo os passos pela estrada sem gloria o crime é mesmo foda né e sem volta, irmão eu só lamento por que Deus sabe o que faz a minha cota eu mesmo corro atrás, pois é sem pisar no calco de alguém vou levando olhando pros lados porque sou um tal Zé ninguém, a minha vida eu mesmo trilho com rosas, espinhos seja onde for to com Deus nunca sozinho, o brilho fosco da lua azul, ilumina meu habitat normal, natural lá do sul veja que é bela as flores singela são da favela, o leito onde a guerra impera os pobres lutam por ela, morrer, matar, matar pra que? Por quê? Seja onde for a periferia vai com você. São tristes recordações da minha infância sofrida, meu habitat é a favela, o gueto é minha vida.

(Refrão)
Os calos não são sábios, mas capazes de ensinar alguém. Nessa rua, nessa rua.
E quem já foi tirado, aprendeu a não tirar ninguém. Nessa rua, nessa rua.
Quem também chorou nessa rua quer sorrir também. Nessa rua, nessa rua.
Não basta ler a bíblia, tem que saber consagrar o amém. Nessa rua, nessa rua.

O moleque sonhador descalço nos campos de terra no peito a honra conquistada nos palcos da favela, quem diria do pivete comportado que ouviu o pastor virou vagabundo ao invés de doutor. A vida ensina as marcas que o tempo revelou da cara de seda do boy, aos calos do catador, ilusão na língua azul do menor a infância perdida, a inocência vendida salve, salve, as ruas, os barracos de madeira, o seu Zé camelo, a senhora lavadeira, tudo, tudo que o destino reservou será não adianta a sua ambição vim querer mudar a covardia que separa o medo da vitória e faz o homem chorar quando chega à derrota do rei ditador de um povo já sem força, a esperança a liberdade achada na forca, mundão louco correria, amor, fantasia um abraço pro coroa abraço forte seu Josias, cê sabia que o homem dos homens foi traído nessa terra, sangrou, nasceu na favela, palmas, palmas, pros batuque do tambor, o terreiro de Oxalá, a mãe negra Iemanjá, cultura, tradição ou religião de um povo sofrido que herdou a escravidão.

(Refrão) (2x)
Os calos não são sábios, mas capazes de ensinar alguém. Nessa rua, nessa rua.
E quem já foi tirado, aprendeu a não tirar ninguém. Nessa rua, nessa rua.
Quem também chorou nessa rua quer sorrir também. Nessa rua, nessa rua.
Não basta ler a bíblia, tem que saber consagrar o amém. Nessa rua, nessa rua.

Músicas mais acessadas

Álbuns e Singles/EPs  (5)

Fotos (9)

Clipes (14)

Release

Gravidade Zero - 2015
Um Drink, um Trago - 2014
Talibã - 2012
Justo pelo Justo - 2008